Mago: as trevas de Sethanon

Informações gerais: escrito por Raymond E. Feist, livro quatro da Saga Mago, lido pela editora Arqueiro. Ficção – fantasia.
Sinopse (retirada do skoob): “O formidável e último volume de “A Saga do Mago”, clássica tetralogia de fantasia de Raymond E. Feist, iniciada com Mago Aprendiz(Arte da capa e ilustrações: Martin Deschambault).
Ventos malignos sopram sobre Midkemia. As legiões negras ergueram-se para esmagar o Reino das Ilhas e escravizá-lo com o terrível poder de sua magia. A batalha final entre a Ordem e o Caos está prestes a começar nas ruínas de uma cidade chamada Sethanon. Agora Pug, o mestre conhecido por Milamber, terá à sua frente a incrível e perigosa missão de viajar até a aurora do tempo e lidar com um antigo e temível inimigo. O destino de mil mundos dependerá apenas dele. Enquanto o Príncipe Arutha e os seus companheiros reúnem as suas hostes para a batalha final contra um misterioso demônio ancestral, o temido necromante Macros, o Negro, libertou mais uma vez a sua magia negra. O destino de dois mundos será decidido numa luta colossal sob as muralhas de Sethanon, quando são restaurados os laços entre Kelewan e Midkemia.”

Esse é o último volume da Saga do Mago, para acessar o primeiro livro é só clicar aqui.

Antes de eu começar a discutir melhor esse livro devo dizer que o modo do escritor contar sua história não muda em nenhum livro dessa saga. Ele sempre começa de forma muito descritiva não me empolgando até o meio do livro, somente do meio para o final passa a se tornar mais empolgante e a leitura aumenta da velocidade. Entretanto, esse estilo foi me cansando conforme fui lendo cada um dos livros da saga e nesse quarto livro eu li já meio por obrigação, para finalmente terminá-lo. Li e demorei muito para acabar justamente por já saber o tipo de leitura que iria encontrar.

O livro é a conclusão da história e problemas iniciados no livro três Mago: espinho de prata e é, por si, muito interessante, porém, ao invés de ter mais emoções e ações, o autor pareceu reduzi-los, contando de forma morna diversos momentos bem fascinantes e dando mais atenção a cenas pouco atraentes, com elas durando, ás vezes, um capítulo inteiro. A saga, igual ao livro três, agora dá mais atenção ao príncipe Arutha e Jimmy, com o Pug e outros magos aparecendo pouquíssimas vezes e ficando em segundo plano. Arutha é um excelente personagem, porém, Mago: as trevas de Sethanon talvez tivesse sido muito mais atraente para mim se contasse mais sobre magia e as missões que Pug precisou enfrentar.

Comecei o livro de má vontade e continuei assim até o final por perceber que Raymond E. Feist iria manter o mesmo estilo utilizado nos outros livros. Já que era o último livro, eu realmente estava esperando mais emoções, batalhas, magia, caos, e isso só acontece nas últimas 50 páginas, de forma rápida e com pouca atenção. Não entendo realmente como essa saga está nos 100 melhores livros para a BBC… não porque ele seja horrendo, a saga é boa, principalmente, se eu for pensar na sua história; mas não é um livro tão maravilhoso para ficar nessa lista. Fico feliz de ter lido toda a série, contudo a escrita é desmotivante e foi me irritando ao longo dos livros.

Saldo final de toda essa saga é que não sei se recomendaria para alguém. Eu criei uma birra com a fórmula do autor e não sei o quanto minha opinião está contaminada com isso. O livro não é ruim, sua história tem vários pontos interessantes, os personagens e os mundos são bem construidos, porém a leitura foi maçante e fiquei muito aliviada quando finalmente cheguei a sua última página.

 

Amor a todos ❤

Cartas de amor aos mortos

Informações gerais: escrita por Ava Dellaira, lançado pela editora Seguinte. Ficção – leitura juvenil.
Sinopse do livro (retirada da parte de trás do livro): ” Tudo começa com uma tarefa para escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto  de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger… apesar de jamais entregá-las à professora. O que parecia uma simples lição de casa logo se transforma na maneira de Laurel lidar com seu primeiro ano em uma escola nova e com a família despedaçada depois da morte de sua irmã.”

Cartas de amor aos mortos me surpreendeu, comprei o livro por envolver músicas e por ele todo ser escrito em forma de várias cartas. Entretanto, não sabia direito do que iria se tratar, são muitos livros os quais falam da vida adolescente e de suas dificuldades, isso não significa que a leitura será leve a ser tratados certos assuntos, ou que será bem escrita. É um tema muito presente na literatura infatojuvenil, mudando somente os certos tipos dificuldades daquele adolescente. Ava Dellaira fez de tudo isso de uma forma muito original e mantendo uma linguagem mais leve possível.

Já que Laurel perdeu sua irmã, o livro trata de como ela vai começar essa nova fase, a entrada no ensino médio, junto com o seu processo de luto. No inicio ela não fala muito diretamente de como sua irmã morreu, ou do porquê a família dela é do jeito que encontramos, e nem aprofunda muito nos seus sentimentos. Ela começa escolhendo Kurt Cobain, pois sua irmã amava a banda Nirvana e apresentou a ela, e Laurel começa a contar simplesmente sobre os primeiros dias na escola nova e da saudade sempre presente de sua irmã. Depois disso, ela continua escrevendo cartas para artista famosos que morreram, mas escrevendo para vários, escolhendo para quem irá escrever de acordo com o sentimento e lembrança trazidos a ela no momento em que escreve. Conforme as cartas são escritas ela vai se descobrindo, se aprofundando mais em seu sentimentos, revelando mais de seu passado e de sua família.

Achei lindo desde o início o modo o qual a personagem escreve para esses artistas, todos envolvidos de algum modo na sua vida, mesmo nunca a conhecendo e estando mortos. É muito pessoal, repleto de uma confidencialidade e afeição a todos, ela desabafa, discuti crítica e consola cada um deles. Ela relaciona aquilo que eles sentiram com o que possivelmente sua irmã estava passando antes de morrer, a falta desses artitas para amigos e familiares deles, com a falta de May na vida de Laurel e de cada um membro de sua família. Sua irmã era um tipo de base para ela, um exemplo, e agora a personagem se sente desorientada sem a irmã numa fase importante da sua vida. É lindo também a relação de May com sua irmã mais nova, tentando sempre protegê-la do mau do mundo, dos problemas de seus pais, e criando um mundo mágico para Laurel.

Laurel não vai passando pelo luto e seus medos sozinha, em pouco tempo ela cria amizades com os “estranhos comuns”. Eles, então, inicia uma cumplicidade em vários momentos, compartilham entre eles seus gostos musicais, as dificuldades diferentes que cada um está passando e suas alegrias. Com eles, Laurel continua seu auto-descobrimento, processando seu luto e seus traumas, vencendo os obstáculos presentes dentro dela.

O livro me fez chorar do início ao fim, por sua beleza e pela sensibilidade da autora em falar levemente sobre temas tão pesados. Ela trata tudo com delicadeza e cuidado, tendo uma grande responsabilidade ao escrever sobre o luto, sobre as relações familiares e românticas, e outros milhares de temas. Amei essa leitura!

 

Amor a todos ❤

 

 

As Crônicas de Artur

Informações gerais: trilogia escrita por Bernard Cornwell, começando com o livro O rei do inverno, todos os livros lançados pela editora Record. Ficção – ficção histórica.

Sinopse do primeiro livro, O rei do inverno (retirada do Skoob): “O Rei do Inverno conta a mais fiel história de Artur, sem os exageros míticos de outras publicações. A partir de fatos, este romance genial retrata o maior de todos os heróis como um poderoso guerreiro britânico, que luta contra os saxões para manter unida a Britânia, no século V, após a saída dos romanos. “O livro traz religião, política, traição, tudo o que mais me interessa,” explica Cornwell, que usa a voz ficcional do soldado raso Derfel para ilustrar a vida de Artur. O valoroso soldado cresce dentro do exército do rei e dentro da narrativa de Corwell até se tornar o melhor amigo e conselheiro de Artur na paz e na guerra.”

Eu amei esse livro e toda a trilogia e recomendo a todos que curta uma boa história, bem escrita e cheia de detalhes.

Essa leitura, mesmo não tendo tanta base histórica e precisando preencher vários pedaços com a imaginação e suposições do autor, me ensinou vários detalhes da época em que se passa. É repleto de informações interessantes e Bernard Cornwell sabe descrever na medida certa tanto as batalhas quanto as cenas mais tranquilas. Amei o personagem principal, com todas as suas dificuldades, gostos e ações. Nenhum momento ele se mostra sendo perfeito, mas uma pessoa com uma história de vida fantástica, afinal, além de sua própria história ser muito interessante, ele também acompanhou a história de Artur e conta toda ela em seu ponto de vista.

O autor no livro O inimigo de Deus (calma, não tem spoilers), o segundo livro, já fala que não tem a presunção de mostrar essa história como A real história de Artur, mas sim como mais uma versão. O conselho é não se prender nos fatos como eles sendo verdadeiros ou não serem como pensamos que tenha sido de fato, mas em que podemos refletir a partir disso e abrir espaço, em certas situações, até para novas possibilidades. Há personagens que talvez não sejam como esperávamos ou do modo como são descritos nas outras versões do Rei Artur, mas se desapegarmos desse “problema”, a leitura se tronar deliciosa e os deixarão ansiosos para ler continuar lendo essa obra. Ou seja, se simplesmente curtimos a leitura, vemos que é uma história em que não nos decepciona em nenhum momento, principalmente na qualidade da escrita.

Outro conselho é ler não esperando o inicio do O rei do inverno ser super motivador ou só pensar em criticar o livro, pelo menos, até chegar mais perto do meio da narrativa. Devo confessar que, da primeira vez, tentei ler o primeiro livro e parei na página 60 ou 70 e alguma coisa, deixando a leitura para depois, quando algo me empolgasse a tentar ler esse livro de novo… Um tempo depois essa vontade me veio de novo, e antes de começar, li algumas resenhas de blogs, livrarias e do Skoob, e em uma delas, não lembro mais qual, avisava que se você passasse da página 100 a leitura deixava de ser tão desafiadora e passava a ser mais empolgante e maravilhosa. Essa pessoa estava certa.

Escrevi essa resenha depois de ler o último livro, então garanto que adorei As Crônicas de Artur! O autor sabe descrever na medida certa as batalhas e as cenas mais tranquilas, desde as primeiras páginas de toda trilogia .Há detalhes no primeiro livro que são importantes, apesar de não parecer, mas quando vai se chegando mais próximo do final, entendemos o porque de aquelas partes terem sido contadas. Aquilo que parecia tão lento e desnecessário no inicio, se mostrou de grande importância para o final da trilogia.

Bernard Cornwell consegue fazer você mudar seus sentimentos pelos personagens junto com Derfel, faz você seguir a todo tempo a linha de pensamento do personagem e compreendê-lo a cada segundo. Todas as conversas de Derfel com Igraine são também muito interessantes, já que muitas das perguntas dela são também nossas, ou as respostas são como justificativas dadas pelo autor do porquê livro ter seguido por certo caminho ao invés de outro mais conhecido ou tradicional.

O final (sem spoilers) não decepciona nenhum pouco os leitores, ele finaliza de modo brilhante, que, sinceramente, me deixou com lágrimas nos olhos. Os personagens são complexos e maravilhosamente formulados do inicio ao fim, principalmente Derfel. Como eu disse anteriormente, ninguém é perfeito e isso torna muitos personagem mais ainda incríveis, pois a todo momento superam seus desafios, mesmo estes parecendo batalhas perdidas.

A trilogia é muito bem escrita e cheia de curiosidades, e o personagem principal é fantástico. Valeu a pena ler!! Essa foi a primeira obra que leio de Bernard Cornwell e só me fez querer ler mais livros escritos por ele. Essa trilogia ganhou um lugar no meu coração.

 

Amor a todos ❤

Mago: espinho de prata

Informações gerais: escrito por Raymond E. Feist, livro três da Saga Mago, lido pela edição da Saída de Emergência (atualmente sendo englobada para a editora Arqueiro). Ficção – fantasia.
Sinopse do livro (retirada do skoob): “Durante quase um ano, a paz reinou nas terras encantadas de Midkemia. Porém, novos desafios aguardam Arutha, o Príncipe de Krondor, quando Jimmy, a Mão – o mais jovem larápio do Zombadores, a Guilda dos Ladrões – surpreende um sinistro Falcão Noturno prestes a assassiná-lo.
Que poder maléfico fez com que os mortos se levantassem para combater em nome da Guilda da Morte? E que magia poderosa poderá derrotá-los?
Mas primeiro o Príncipe Arutha, na companhia de um mercenário, um bardo e um jovem ladrão, terá que fazer a viagem mais perigosa da sua vida, em busca de um antídoto para o veneno que está prestes a matar a bela Princesa no dia do seu próprio casamento.”

Esse é o terceiro volume da Saga do Mago, para acessar o primeiro livro é só clicar aqui.

Conforme vou lendo livros de uma mesma saga, cada vez mais tenho o desafio de escrever uma resenha a qual não seja muito repetitiva comparada a outras feitas sobre os outros livros já lidos da mesma saga. É esse o obstáculo que estou tentando romper aqui ao escrever sobre o terceiro livro da saga Mago, espero que consiga. A questão é o fato de a escrita do escritor não muda muito de um livro.

Comecei o livro meio desanimada, desde o início já dava para perceber que o escritor começou o livro da mesma forma dos dois livros anteriores: devagar, contando diversos fatos os quais ainda não envolve diretamente com a história proposta pelo livro e não são fortes o suficiente para mim para me deixar presa e curiosa com a leitura. De novo, só no meio do livro é que o livro me envolveu, com a escrita sendo mais rápida e emocionante, porém esse estilo, já encontrado por mim nos outros livros, me fez não ler com tanto prazer e vontade tão esperados.

O livro é focado agora em Arutha e Jimmy, vemos Pug poucas vezes na história. Nesse livro, com a lealdade enorme a seu amigo Arutha, Jimmy vai atrás dele para avisar, ajudar a investigar e enfrentar os acontecimentos estranhos os quais estão acontecendo com relação direta ao Príncipe de Krondor. O ladrão tem uma amizade tão leal que chega a sacrificar seu estilo de vida. Arutha não fica para trás, é cheio de charme em seu jeito de pensar e agir, praticamente todos seus comportamentos são feitos procurando justiça e ajudar aqueles que ama. Amo Jimmy e Arutha, gosto da maior parte dos personagens, são bem construídos e cumprem com seus objetivos no livro, mesmo assim a leitura foi muito lenta na primeira parte do livro.

Gostei da história em si, porém não muito da primeira parte da leitura, por culpa da escrita de Raymond E. Feist. Considero que isso seja porque é a primeira saga criada pelo autor e ele ainda deve estar desenvolvendo sua escrita. Entretanto, mesmo eu estando bem curiosa para terminar a saga, não estou muito animada para começar a ler o quarto e último livro devido a esses problemas encontrados.

 

Amor a todos ❤

A garota no trem

wp-1487795408071.jpg

Informações gerais: escrita por Paula Hawkins, lançado pela editora Record. Romance policial – suspense e mistério.

Sinopse (retirada do Skoob): “Um thriller psicológico que vai mudar para sempre a maneira como você observa a vida das pessoas ao seu redor.
Todas as manhãs, Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas dágua, pontes e aconchegantes casas.
Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes a quem chama de Jess e Jason , Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess na verdade Megan está desaparecida.
Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos.
Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, A garota No Trem é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.”

Não assisti ao filme até o momento para ler esse livro aproveitando toda a sua proposta e todas as surpresas preparadas pela escritora. Indico aqueles que curtem um suspense a fazerem o mesmo, pois não fiz isso com A garota exemplar e, apesar da qualidade da leitura não mudar, senti que perdi um pouco da emoção presente no livro por saber tudo que iria acontecer.

Falo isso, na verdade, para avisar que essa provavelmente será uma resenha pequena, pois tenho medo de revelar sem querer alguma dica ou spoiler sobre o livro, e não me perdoria por isso. Não quero estragar a leitura de ninguém.

A leitura é contagiante e envolvente, quando comecei não consegui parar até terminar o livro. O livro é dividido pela narrativa em primeira pessoa de três personagens, dando algumas pistas para nós tentarmos descobri todo o mistério. Paula Hawkins escreve muito bem, nos deixando tensos em vários momentos e me fazendo morrer de curiosidade em vários outros da A garota no trem. Se tivesse que descrever esse livro em uma palavra, seria: uau.

O livro e sua escritora simplesmente cumprem tudo o que prometeram deste o início.Não leio muito livros assim, mas gostei muito. Foi bom para me tirar um pouco da minha zona de conforto literária e me fazer me divertir muito. Quando li sobre a autora me surpreendi deste ser o primeiro romance dela e espero que esse seja somente o primeiro sucesso e best-seller de muitos outro que ela escreverá.

 

Amor a todos ❤

Como Star Wars conquistou o universo

wp-1487405744538.jpg

Informações gerais: escrita por Chris Taylor, lançado pela editora Aleph. Biografia – não-ficção.

Sinopse (retirada do Skoob): “Por várias gerações, Star Wars tem arrastado fãs de todas as idades aos cinemas, às lojas de brinquedos, às livrarias — praticamente a todo lugar que se vai, Star Wars está presente como uma entidade maior do que os filmes da saga. É indiscutivelmente o maior fenômeno da cultura pop, tão abrangente em todos os sentidos que mesmo aqueles que não assistiram ao filme conhecem a figura de Darth Vader e a maior revelação da história criada pelo cineasta George Lucas.
Em um trabalho jornalístico surpreendente, Chris Taylor revela segredos que até o fã mais radical desconhecia, derruba e confirma antigos mitos e rumores sobre sua produção, e dá voz a todo mundo que foi relevante na criação de Star Wars como um todo, de aliados a desafetos de George Lucas. Porém, apesar de falar sobre Star Wars, o livro vai muito além: fala sobre cinema em geral, administração, gerenciamento de marca e até determinação pessoal.”

A primeira vez que vi esse livro foi no Abdução no canal do youtube da Aleph e fiquei curiosa. Depois, na Jedicon 2016, no estande da Aleph, meu marido resolveu me dar junto com outros livros que eu ainda não tinha de Star Wars, tanto legends como os novos cânones. Apesar disso, tenho uma preguiça de começar a ler biografias ou livros de não ficção, normalmente são livro os quais possuem momentos lentos e cansativos na leitura, a informação nem sempre consegue ser transmitida de forma leve. Bem, na minha opinião, esse livro, o escritor consegue passar todas as milhões de informações de forma leve, divertida e, muitas vezes, interagindo com leitor. Finalizei esse livro antes de o esperado e com grande sorriso no rosto.

A Aleph tem sempre um carinho muito grande em suas edições, então acho justo eu falar sobre a aparência do livro tão bem trabalhada, tanto dentro, quanto fora. Como é tipo uma biografia do universo de Star Wars, no meu ponto de vista, e como muitas pessoas são parecidas comigo na parte ter um pouco de preguiça de comprar e ler um livro biográfico, a Aleph colocou os diversos elogios feitos por diversos críticos e pessoas famosas, dando uma maior vontade para ler e conhecer o livro. Na capa tem um Darth Vader, porque tem alguma coisa que seja mais simbólica do Star Wars do que o Darth Vader? A edição é similar a todas as edições da editora referente a Star Wars, páginas amareladas na leitura, mas sendo intercalada de páginas pretas nas divisões dos capítulos e nas páginas iniciais do livro. O único ponto negativo para mim, é que, provavelmente para deixar o livro enorme um pouco mais compacto, a fonte é menor e eu não gosto de ler livros com letras pequenas, força muito a vista para mim, me obrigando a ler sempre de óculos, e deixa muito vezes a leitura menos fluida.

A leitura valeu muito a pena, gostei tanto que assim que a terminei já comecei a trabalhar na resenha do livro, para eu não me esquecer nenhuma parte importante. O livro começa falando de o início da vida de George Lucas e, ao mesmo tempo, sobre uma tribo Navajo em que há pouco tempo os filmes originais de Star Wars foram dublados para a língua Navajo como um incentivo para os jovens darem mais atenção a sua cultura Navajo e aprender sua língua. Não consigo explicar a escrita de Chris Taylor muito bem, porém ele usa essa forma de escrever para contar a vida de George Lucas, e depois, dos filmes, intercalando com as histórias dos que foram envolvidos por esse universo apaixonante de Star Wars. Isso deu uma fluência maior a leitura, deixando mais curiosa e com mais informações.

O livro foi me prendendo de forma sutil, depois da introdução eu já estava mais curiosa de como iria ser o livro, depois de o primeiro capítulo eu já não queria mais largá-lo, mesmo com sua letrinha pequena. Até mesmo as notas de rodapé da tradução foram interessantes. Chris Taylor interage com o leitor, parecendo muitas vezes está conversando com você; ele passa um pouco de sua paixão por Star Wars a cada página escrita, tanto de forma implícita como explícita. Conta várias fofocas e fatos os quais Star Wars é o principal assunto, conta de como é o envolvimento de diversos fãs com esse universo, conta sobre curiosidades e fenômenos muito divertidos de se saber. O autor chega a discutir sobre os prólogos e tenta ensinar a aqueles que não conseguiram digeri-los até hoje, a aceitá-los, a como a sofrer menos com a existência dos episódios de I ao III.

O livro tem muitos fatos, e para absorvê-los todos eles, terei de sempre de consultá-lo. A escrita é realizada de forma apaixonada e empolgante, seu conteúdo é sempre relevante. Adorei muito a experiência de tê-lo lido e indico não só aos fãs de Star Wars quanto a todos os estudiosos de cinema e da cultura pop. No fim da minha leitura, este livro se tornou um dos meus favoritos.

 

Amor a todos ❤

Outlander: O resgate no mar (parte I e parte II)

 

Informações gerais: Escrito por Diana Gabaldon, livro 3 parte I e parte II da saga Outlander, lido pela edição da editora Saída de Emergência (atualmente sendo englobada para editora Arqueiro). Literatura fantástica – histórica.

Sinopse da parte I do livro (retirada do Skoob): “Há vinte anos Claire Randall voltou no tempo e encontrou o amor de sua vida – Jamie Fraser, um escocês do século XVIII. Mas, desde que retornou à sua própria época, ela sempre pensou que ele tinha sido morto na Batalha de Culloden.
Agora, em 1968, Claire descobre, com a ajuda de Roger Wakefield, evidências de que seu amado pode estar vivo. A lembrança do guerreiro escocês não a abandona… seu corpo e sua alma clamam por ele em seus sonhos. Claire terá que fazer uma escolha: voltar para Jamie ou ficar com Brianna, a filha dos dois.
Jamie, por sua vez, está perdido. Os ingleses se recusaram a matá-lo depois de sufocarem a revolta de que ele fazia parte. Longe de sua amada e em meio a um país devastado pela guerra e pela fome, o rapaz precisa retomar sua vida.
As intrigas ficam cada vez mais perigosas e, à medida que tempo e espaço se misturam, Claire e Jamie têm que encontrar a força e a coragem necessárias para enfrentar o desconhecido. Nesta viagem audaciosa, será que eles vão conseguir se reencontrar?”

Já que considero os livros parte I e parte II do O resgate do mar a mesma história, sendo divididos, provavelmente, para não lançarem um livro gigante e complicado de ler; escrevo aqui uma resenha para os dois.

Esse livro me fez apaixonar de ver pela Diana Gabaldon. O livro dois é um livro a qual nos deixa ansiosos para ler o livro três da saga e quando peguei esse livro para ler ele me agradou mais do que eu imaginava. Agora não temos só o ponto de vista da Claire, mas também do Jaime! Do Jaime! É muito bom saber agora também de como o Jaime está se sentindo com todo o ocorrido na vida desse casal tão maravilhoso.

Amei o método criado por Diana no livro três parte I. Quando Claire descobre que Jaime sobreviveu a batalha de Culloden, ela, Brianna e Roger começam a pesquisar aonde durante os anos separados de Claire ele passou a viver e se si manteve vivo. Conforme a pesquisa vai avançando, a escritora fica intercalando com narrativa de Jaime, contando mais detalhadamente como ele está vivendo e o que passou durante o tempo longe de sua amada.

Claire agora, porém, precisa decidir se arrisca a voltar novamente no tempo para se reencontrar com Jaime e se despede de sua filha, ou fica com a filha e fica sentindo falta para sempre do amor de sua vida. Roger continua sendo um fofo, ajudando sempre que possível Claire e sua filha a enfrentar todas as descobertas feitas e os sentimentos trazidos com isso. Ele batalha junto com as duas para achar o máximo possível de informação de Jaime Fraser e seu paradeiro, limitando seu sono e atividades para ficar lendo diversos documentos dia e noite. Brianna enfrenta também o conflito de ser egoísta impedindo sua mãe de ir embora ou deixa-la ir atrás de seu pai; porém ajuda também no possível em estudar tudo sobre Jaime, por mais que sofresse em pensar sobre ficar longe de Claire. Brianna ainda é um personagem a qual ainda não tenho uma opinião formada. Eu entendo os motivos dela por sentir como se sente e não conheço o suficiente sobre ela para ter algum sentimento decisivo.

Ler as partes do Jaime doí o coração, depois da batalha de Culloden ele vai se tornando um outro homem, perde sua inocência e fazendo algumas ações até mesmo, na minha opinião, cruéis. Ele passa por muitos problemas na Escócia e, além disso, sente uma saudade avassaladora de Claire, sem saber se ela e seu bebê sobreviveram e não tendo ninguém para contar a verdade do que realmente aconteceu com sua esposa.Não é fácil ser um escocês o qual contra os ingleses na batalha se Culloden, sobrevivendo muitos momentos por pura sorte ou com ajuda de seus amigos e familiares.

Esse livro é lindo e tive que me segura vários momentos aqui para não contar a vocês nenhum spoiler. Ele me fez rir, chorar e temer por Claire e Jaime em diversos períodos da leitura. Sou apaixonada pela Claire, o modo dela viver e sobreviver aos desafios encontrados ao longo de sua vida; Jaime não fica para trás com sua personalidade. Espero ansiosamente para ler o livro quatro e conhecer mais ainda sobre a vida destes dois.

 

Amor a todos ❤