Como Star Wars conquistou o universo

wp-1487405744538.jpg

Informações gerais: escrita por Chris Taylor, lançado pela editora Aleph. Biografia – não-ficção.

Sinopse (retirada do Skoob): “Por várias gerações, Star Wars tem arrastado fãs de todas as idades aos cinemas, às lojas de brinquedos, às livrarias — praticamente a todo lugar que se vai, Star Wars está presente como uma entidade maior do que os filmes da saga. É indiscutivelmente o maior fenômeno da cultura pop, tão abrangente em todos os sentidos que mesmo aqueles que não assistiram ao filme conhecem a figura de Darth Vader e a maior revelação da história criada pelo cineasta George Lucas.
Em um trabalho jornalístico surpreendente, Chris Taylor revela segredos que até o fã mais radical desconhecia, derruba e confirma antigos mitos e rumores sobre sua produção, e dá voz a todo mundo que foi relevante na criação de Star Wars como um todo, de aliados a desafetos de George Lucas. Porém, apesar de falar sobre Star Wars, o livro vai muito além: fala sobre cinema em geral, administração, gerenciamento de marca e até determinação pessoal.”

A primeira vez que vi esse livro foi no Abdução no canal do youtube da Aleph e fiquei curiosa. Depois, na Jedicon 2016, no estande da Aleph, meu marido resolveu me dar junto com outros livros que eu ainda não tinha de Star Wars, tanto legends como os novos cânones. Apesar disso, tenho uma preguiça de começar a ler biografias ou livros de não ficção, normalmente são livro os quais possuem momentos lentos e cansativos na leitura, a informação nem sempre consegue ser transmitida de forma leve. Bem, na minha opinião, esse livro, o escritor consegue passar todas as milhões de informações de forma leve, divertida e, muitas vezes, interagindo com leitor. Finalizei esse livro antes de o esperado e com grande sorriso no rosto.

A Aleph tem sempre um carinho muito grande em suas edições, então acho justo eu falar sobre a aparência do livro tão bem trabalhada, tanto dentro, quanto fora. Como é tipo uma biografia do universo de Star Wars, no meu ponto de vista, e como muitas pessoas são parecidas comigo na parte ter um pouco de preguiça de comprar e ler um livro biográfico, a Aleph colocou os diversos elogios feitos por diversos críticos e pessoas famosas, dando uma maior vontade para ler e conhecer o livro. Na capa tem um Darth Vader, porque tem alguma coisa que seja mais simbólica do Star Wars do que o Darth Vader? A edição é similar a todas as edições da editora referente a Star Wars, páginas amareladas na leitura, mas sendo intercalada de páginas pretas nas divisões dos capítulos e nas páginas iniciais do livro. O único ponto negativo para mim, é que, provavelmente para deixar o livro enorme um pouco mais compacto, a fonte é menor e eu não gosto de ler livros com letras pequenas, força muito a vista para mim, me obrigando a ler sempre de óculos, e deixa muito vezes a leitura menos fluida.

A leitura valeu muito a pena, gostei tanto que assim que a terminei já comecei a trabalhar na resenha do livro, para eu não me esquecer nenhuma parte importante. O livro começa falando de o início da vida de George Lucas e, ao mesmo tempo, sobre uma tribo Navajo em que há pouco tempo os filmes originais de Star Wars foram dublados para a língua Navajo como um incentivo para os jovens darem mais atenção a sua cultura Navajo e aprender sua língua. Não consigo explicar a escrita de Chris Taylor muito bem, porém ele usa essa forma de escrever para contar a vida de George Lucas, e depois, dos filmes, intercalando com as histórias dos que foram envolvidos por esse universo apaixonante de Star Wars. Isso deu uma fluência maior a leitura, deixando mais curiosa e com mais informações.

O livro foi me prendendo de forma sutil, depois da introdução eu já estava mais curiosa de como iria ser o livro, depois de o primeiro capítulo eu já não queria mais largá-lo, mesmo com sua letrinha pequena. Até mesmo as notas de rodapé da tradução foram interessantes. Chris Taylor interage com o leitor, parecendo muitas vezes está conversando com você; ele passa um pouco de sua paixão por Star Wars a cada página escrita, tanto de forma implícita como explícita. Conta várias fofocas e fatos os quais Star Wars é o principal assunto, conta de como é o envolvimento de diversos fãs com esse universo, conta sobre curiosidades e fenômenos muito divertidos de se saber. O autor chega a discutir sobre os prólogos e tenta ensinar a aqueles que não conseguiram digeri-los até hoje, a aceitá-los, a como a sofrer menos com a existência dos episódios de I ao III.

O livro tem muitos fatos, e para absorvê-los todos eles, terei de sempre de consultá-lo. A escrita é realizada de forma apaixonada e empolgante, seu conteúdo é sempre relevante. Adorei muito a experiência de tê-lo lido e indico não só aos fãs de Star Wars quanto a todos os estudiosos de cinema e da cultura pop. No fim da minha leitura, este livro se tornou um dos meus favoritos.

 

Amor a todos ❤

Bloodline (Star Wars)

wp-1486079890480.jpg

Informações gerais: escrito Claudia Gray, da saga novo cânone de Star Wars, lido em inglês e lançado pela editora Del Rey. Ficção – ficção científica.

Sinopse do livro: O livro se passa depois de mais de vinte anos da batalha de Endor e alguns anos antes dos acontecimentos do filme Star Wars VII: O Despertar da Força. A Nova república está dividida entre dois partidos os ‘Centralistas’, defendendo que todas as decisões dos planetas integrantes da Nova República deve ser tomadas por um governo central, e o ‘Populistas’, defendendo que cada planeta tenha autonomia em suas escolhas. Neste contexto político, Leia, como senadora, sente que a república está caindo aos pedaços, com senadores mais preocupados em discutir entre si, ao invés de agir e fortalecer a democracia tanto duramente conquistada.

O livro é muito bem escrito, concentrando em explicar todo o possível sobre a Leia e o período político em que ela está vivendo. Ele revela algumas informações a qual não é explicada no episódio VII, é integrado muito bem com os outros cânones e sempre bem coerente. A escritora também conseguiu me surpreender, mesmo eu tendo ideia já do que iria acontecer a longo prazo com a princesa senadora Leia e com a própria democracia.

Este é o segundo livro cânone de Star Wars escrito por Claudia Gray e uma ótima oportunidade para conhecer melhor a princesa senadora Leia, saber melhor como ela pensa e sente em relação a diversos assuntos, principalmente com o que ela passou ao lutar contra o Império e a descoberta de quem é seu pai biológico. Leia continua sendo uma pessoa honrada a qual luta pela liberdade e vive para cumprir seu dever. É muito interessante ver como ela está cansada de lidar com a política, mas continua lutando por haver justiça na galáxia e se envolvendo no possível, por acredita ser esse o seu dever, mesmo que este a afaste de sua família.

Outro ponto muito interessante é o livro ter me dado oportunidade de conhecer, finalmente, como era a Nova República e como esta pode ter deixado espaço para os acontecimentos do episódio VII de Star Wars. O que podemos ver desde o início do livro é um senado dividido em dois partidos e mil opiniões diferentes, seres com uma ideia sempre opositora a do outro e nada sendo resolvido. A maioria dos senadores agora é formada por pessoas as quais são muito novas para se lembrar direito de como realmente era o Império, vivenciando em sua grande parte da vida um período de paz. Outros, apesar de se lembrar como era, está sempre muito desconfiado e temeroso com a volta de um governo tirano para tomar alguma decisão importante. Todos nunca chegando a nenhuma conclusão e ação diante de qualquer problema.

Finalizei a leitura muito feliz. Tinha uma expectativa muito grande neste livro e ele não me decepcionou nenhum pouco. Claudia Gray enche o livro com ideias e cenas  muito criativas, personagens cativantes e explicações muito bem trabalhadas. Bloodline ao terminar deixa ainda muito mistério, mas acrescentando novas questões a serem respondidas. Realmente amei essa leitura e fiquei mais ansiosa ainda para a vinda de Star Wars VIII: The Last Jedi.

 

Amor a todos ❤

 

 

Estrelas perdidas

wp-1478642633651.jpgInformações gerais: escrito por Claudia Gray, da saga novo cânone de Star Wars, lançado pela editora Seguinte. Ficção – ficção científica.

Sinopse do livro (retirada do Skoob): “Ciena Ree e Thane Kyrell se conheceram na infância e cresceram com o mesmo sonho: pilotar as naves do Império. Durante a adolescência, sua amizade aos poucos se transforma em algo mais, porém diferenças políticas afastam seus caminhos: Thane se junta à Aliança Rebelde e Ciena permanece leal ao imperador. Agora em lados opostos da guerra, será que eles vão conseguir ficar juntos?
Através dos pontos de vista de Ciena e Thane, você acompanhará os principais acontecimentos desde o surgimento da Rebelião até a queda do Império de um jeito absolutamente original e envolvente. O livro relata, ainda, eventos inéditos que se passam depois do episódio VI, O retorno de Jedi, e traz pistas sobre o episódio VII, O despertar da Força!”

Esse livro é uma história em que acompanhamos os personagens do livro, Ciena Ree e Thane Kyrell, ao longo do tempo, da infância deles até a fase adulta. Junto com eles vemos a evolução e a deterioração da dominação do Império com a galáxia, e me deu várias respostas a algumas perguntas as quais eu tinha dentro de mim como, por exemplo, qual o motivo de tantas pessoas quererem ingressarem no Império?

O livro começa com o Império, depois de 8 anos da queda da república, chegando ao planeta, na Orla exterior, chamado Jelucan. Toda a população deste planeta está empolgada com essa chegada, exceto umas pouquíssimas pessoas; elas estão torcendo por um futuro melhor para o planeta; levando seus filhos para ver a chegada das naves imperiais e, entre essas crianças, está nossos personagens principais, com 8 anos de idade: Thane e Ciena. A partir daí começamos a ver o desenvolvimento dos dois, a formação de uma amizade forte a qual vai se tornando algo mais quando chegam a adolescência, e os desafios os quais eles precisam vencer para manter esse amor e amizade.

Essa leitura foi incrível! Foi a primeira vez que pude ver de ponto de vistas diferentes as várias batalhas entre o Império e a Aliança Rebelde, como o Império repassava as notícias para os planetas e seus integrantes. Achei engraçado ver a opinião dos personagens deste livro sobre outros que conhecemos tão bem como: Luke Skywalker, Leia Organa, Han Solo e Lando Calrissian. Pude ver melhor como é dentro da academia imperial e como é a organização do Império, além de poder ver melhor como é entrar na Aliança Rebelde e de como ela enfrentava o Império. Tudo isso, enfatizo, por pontos de vistas dos quais eu não tinha ainda conhecido.

A leitura para mim ás vezes foi mais lenta e , em outras partes, super rápida, porém sendo sempre uma leitura leve. Não é meu livro favorito de Star wars, mas adorei a ideia e a escrita de Claudia Gray. Uma história original e repleta de detalhes muito interessantes.

Amor a todos ❤

O herdeiro do Jedi

wp-1476645917466.jpg

Informações gerais: escrito por Kevin Hearne, da saga novo cânone de Star Wars, lançados pela editora Aleph. Ficção – ficção científica.

Sinopse do livro (retirada da parte de trás do livro): ” Após a destruição da Estrela da Morte, Luke Skywalker, conhecido por ser o melhor piloto da galáxia, tornou-se um herói entre seus companheiros da Aliança Rebelde. Mas o jovem Luke ainda está longe de controlar inteiramente a Força e ser um verdadeiro cavaleiro Jedi. Agora, precisa encontrar tempo para seu treinamento em meio às diversas responsabilidades que lhe  cabem como membro da Aliança, incluindo a compra de equipamentos e investigações em uma lua habitada por perigosos predadores alienígenas.
Entre as batalhas especiais, espionagem e complicadas fugas, Luke terá que confiar em si mesmo, em seus amigos  e em sua crescente relação com a Força para sobreviver. Pela primeira vez, o leitor acompanha uma narrativa contada em primeira pessoa por Luke, nesta emocionante aventura entre os episódios IV e V de Star Wars, parte da nova cronologia da saga e que nos aproxima de seu maior herói.”

A capa do livro, na minha modesta, já é um excelente motivo para ler este livro, é linda, atraente aos olhos e, conforme fui lendo, também foi mostrando o quanto descreve em imagens como vai ser o livro, a capa condiz plenamente com a história encontrada no livro. A leitura se inicia pela capa, mas no primeiro capítulo já começamos a deparar de como o Luke está em relação a tudo que lhe ocorreu no filme episódio IV, com algumas respostas de perguntas que talvez nem mesmo podemos ter imaginado fazer. O livro se integra de forma perfeita com os episódios IV e V, com explicações que faz todo sentido com a continuação da história do treinamento de Luke para ser Jedi e de seus modos de pensar e agir ao logo dos próximos filmes.

O autor, então, escreve uma maravilhosa história, repleta de aventuras e ação, adicionando novas informações sobre Luke Skywalker e aproveita de tudo isso para nos dizer aos poucos o que está passando dentro de Luke e como ele reflete em seu exterior. Kevin Hearne descreve planetas e espécies de formas bem interessantes, descrevendo até mesmo o cheiro de certos locais. Ele também compartilha conosco o conforto, ou, o mais comum, a falta de conforto de ser um integrante da Aliança Rebelde e os problemas de interação com os integrantes.As dificuldades permanente dessa organização em conseguir investimentos e gente confiável para manter sua luta contra as forças imperiais, além de sempre ter de buscar novos locais para se esconder do Império e sua ditatura.

Graças ao livro ser em primeira pessoa, no ponto de vista de Luke, consegui ver já um amadurecimento dele que eu não conseguia ver até os momentos finais do episódio VI. A leitura nos dá a oportunidades de enxergar a grande força de Luke em manter seu objetivo de se tornar Jedi, de permanecer com esperanças de um futuro melhor e continuar avançando. Luke, realmente, é uma pessoa humilde, transparente e honesta, com os outros e seus sentimentos. Aquele o qual sempre pensa em como seus atos pode afetar os demais, e sempre pensa naqueles em que ama.

Com esse livro eu me apaixonei por Luke, criando uma empatia com ele maior do que nunca por tudo aquilo que aconteceu com ele. Mostra a grande possibilidade dele, pela força que tem dentro de si, se tornar um grande Jedi, um Jedi melhor do que seu pai foi e, talvez (por quê não?), uns dos maiores Jedis já conhecidos nessa amada galáxia muito, muito distante.

 

Amor a Todos❤

A armadilha do paraíso (Trilogia Han Solo – livro 1)

wp-1473279721197.jpg

Informações gerais  escrito por A. C. Crispin, Star Wars Legends, lançado pela editora Aleph. Ficção – ficção científica.

Sinopse do livro (retirada do Skoob): “Depois de uma infância de maus tratos e abandono, o jovem Han Solo finalmente foge das garras de um grupo de contrabandistas para seguir seu sonho de se tornar um grande piloto. Mas a realidade de exploração e injustiça nem sempre é fácil de ser deixada para trás, e seu novo emprego em Ylesia, um retiro para peregrinos religiosos, revela não ser o paraíso que os sacerdotes anunciam. Han precisará de toda a sua malícia e a sua astúcia para sobreviver às armadilhas em seu caminho, sejam as de contrabandistas inescrupulosos ou as de falsos profetas e seus interesses escusos. Nesta clássica e aclamada trilogia, A. C. Crispin conta a história da origem de um dos mais cativantes personagens de STAR WARS, da infância de Han Solo a bordo de uma nave até o momento em que seu destino se cruza com o dos últimos Jedi da galáxia.”

Esse livro é muito bem escrito e explica já desde esse primeiro livro da trilogia muitos dos comportamentos de Han. A autora foi fiel desde o início com esse personagem que amamos tanto, não mudando em nada a sua personalidade, mas nós fazendo conhecer um pouco mais dele e de sua origem, adicionando novas informações e histórias por ele vivida. No livro começamos a ver um pouco da infância que Han consegue lembrar; como ele inicia a grande amizade com os wookies, sendo praticamente educado por uma; sua alta capacidade de sobrevivência; e seu sorriso torto sempre presente. Não só Han Solo é muito bem retratado, como todos os novos são muito bem construídos, me fazendo compreender suas personalidades e decisões… não nego que alguns entraram em meu coração.

Gostei muito também do modo que a autora descreve os lugares por onde o livro passa, suas culturas e modo de vida. Yleisa, desde seu início, como seu clima e sua aparência, já não me parece muito um paraíso, porém vamos entendendo o porquê é um retiro para peregrinos religiosos e como o local realmente funciona. O livro também descreve e nos faz conhecer um pouco mais de Corelia e outros planetas, a cultura, os problemas,e como são seus habitantes.

O livro não é sempre repleto de ação, porém, para mim, a leitura foi muito suave e prazerosa, me fazendo, não só amar mais ainda Han Solo, como conhecer novas espécies e lugares do universo expandido maravilhoso de Star Wars. Aguardo ansiosamente o segundo livro, para saber ainda mais como Han Solo se tornou aquele que conhecemos no filme episódio IV de Star Wars.

 

Amor a Todos ❤