Mago: as trevas de Sethanon

Informações gerais: escrito por Raymond E. Feist, livro quatro da Saga Mago, lido pela editora Arqueiro. Ficção – fantasia.
Sinopse (retirada do skoob): “O formidável e último volume de “A Saga do Mago”, clássica tetralogia de fantasia de Raymond E. Feist, iniciada com Mago Aprendiz(Arte da capa e ilustrações: Martin Deschambault).
Ventos malignos sopram sobre Midkemia. As legiões negras ergueram-se para esmagar o Reino das Ilhas e escravizá-lo com o terrível poder de sua magia. A batalha final entre a Ordem e o Caos está prestes a começar nas ruínas de uma cidade chamada Sethanon. Agora Pug, o mestre conhecido por Milamber, terá à sua frente a incrível e perigosa missão de viajar até a aurora do tempo e lidar com um antigo e temível inimigo. O destino de mil mundos dependerá apenas dele. Enquanto o Príncipe Arutha e os seus companheiros reúnem as suas hostes para a batalha final contra um misterioso demônio ancestral, o temido necromante Macros, o Negro, libertou mais uma vez a sua magia negra. O destino de dois mundos será decidido numa luta colossal sob as muralhas de Sethanon, quando são restaurados os laços entre Kelewan e Midkemia.”

Esse é o último volume da Saga do Mago, para acessar o primeiro livro é só clicar aqui.

Antes de eu começar a discutir melhor esse livro devo dizer que o modo do escritor contar sua história não muda em nenhum livro dessa saga. Ele sempre começa de forma muito descritiva não me empolgando até o meio do livro, somente do meio para o final passa a se tornar mais empolgante e a leitura aumenta da velocidade. Entretanto, esse estilo foi me cansando conforme fui lendo cada um dos livros da saga e nesse quarto livro eu li já meio por obrigação, para finalmente terminá-lo. Li e demorei muito para acabar justamente por já saber o tipo de leitura que iria encontrar.

O livro é a conclusão da história e problemas iniciados no livro três Mago: espinho de prata e é, por si, muito interessante, porém, ao invés de ter mais emoções e ações, o autor pareceu reduzi-los, contando de forma morna diversos momentos bem fascinantes e dando mais atenção a cenas pouco atraentes, com elas durando, ás vezes, um capítulo inteiro. A saga, igual ao livro três, agora dá mais atenção ao príncipe Arutha e Jimmy, com o Pug e outros magos aparecendo pouquíssimas vezes e ficando em segundo plano. Arutha é um excelente personagem, porém, Mago: as trevas de Sethanon talvez tivesse sido muito mais atraente para mim se contasse mais sobre magia e as missões que Pug precisou enfrentar.

Comecei o livro de má vontade e continuei assim até o final por perceber que Raymond E. Feist iria manter o mesmo estilo utilizado nos outros livros. Já que era o último livro, eu realmente estava esperando mais emoções, batalhas, magia, caos, e isso só acontece nas últimas 50 páginas, de forma rápida e com pouca atenção. Não entendo realmente como essa saga está nos 100 melhores livros para a BBC… não porque ele seja horrendo, a saga é boa, principalmente, se eu for pensar na sua história; mas não é um livro tão maravilhoso para ficar nessa lista. Fico feliz de ter lido toda a série, contudo a escrita é desmotivante e foi me irritando ao longo dos livros.

Saldo final de toda essa saga é que não sei se recomendaria para alguém. Eu criei uma birra com a fórmula do autor e não sei o quanto minha opinião está contaminada com isso. O livro não é ruim, sua história tem vários pontos interessantes, os personagens e os mundos são bem construidos, porém a leitura foi maçante e fiquei muito aliviada quando finalmente cheguei a sua última página.

 

Amor a todos ❤

Outlander: O resgate no mar (parte I e parte II)

 

Informações gerais: Escrito por Diana Gabaldon, livro 3 parte I e parte II da saga Outlander, lido pela edição da editora Saída de Emergência (atualmente sendo englobada para editora Arqueiro). Literatura fantástica – histórica.

Sinopse da parte I do livro (retirada do Skoob): “Há vinte anos Claire Randall voltou no tempo e encontrou o amor de sua vida – Jamie Fraser, um escocês do século XVIII. Mas, desde que retornou à sua própria época, ela sempre pensou que ele tinha sido morto na Batalha de Culloden.
Agora, em 1968, Claire descobre, com a ajuda de Roger Wakefield, evidências de que seu amado pode estar vivo. A lembrança do guerreiro escocês não a abandona… seu corpo e sua alma clamam por ele em seus sonhos. Claire terá que fazer uma escolha: voltar para Jamie ou ficar com Brianna, a filha dos dois.
Jamie, por sua vez, está perdido. Os ingleses se recusaram a matá-lo depois de sufocarem a revolta de que ele fazia parte. Longe de sua amada e em meio a um país devastado pela guerra e pela fome, o rapaz precisa retomar sua vida.
As intrigas ficam cada vez mais perigosas e, à medida que tempo e espaço se misturam, Claire e Jamie têm que encontrar a força e a coragem necessárias para enfrentar o desconhecido. Nesta viagem audaciosa, será que eles vão conseguir se reencontrar?”

Já que considero os livros parte I e parte II do O resgate do mar a mesma história, sendo divididos, provavelmente, para não lançarem um livro gigante e complicado de ler; escrevo aqui uma resenha para os dois.

Esse livro me fez apaixonar de ver pela Diana Gabaldon. O livro dois é um livro a qual nos deixa ansiosos para ler o livro três da saga e quando peguei esse livro para ler ele me agradou mais do que eu imaginava. Agora não temos só o ponto de vista da Claire, mas também do Jaime! Do Jaime! É muito bom saber agora também de como o Jaime está se sentindo com todo o ocorrido na vida desse casal tão maravilhoso.

Amei o método criado por Diana no livro três parte I. Quando Claire descobre que Jaime sobreviveu a batalha de Culloden, ela, Brianna e Roger começam a pesquisar aonde durante os anos separados de Claire ele passou a viver e se si manteve vivo. Conforme a pesquisa vai avançando, a escritora fica intercalando com narrativa de Jaime, contando mais detalhadamente como ele está vivendo e o que passou durante o tempo longe de sua amada.

Claire agora, porém, precisa decidir se arrisca a voltar novamente no tempo para se reencontrar com Jaime e se despede de sua filha, ou fica com a filha e fica sentindo falta para sempre do amor de sua vida. Roger continua sendo um fofo, ajudando sempre que possível Claire e sua filha a enfrentar todas as descobertas feitas e os sentimentos trazidos com isso. Ele batalha junto com as duas para achar o máximo possível de informação de Jaime Fraser e seu paradeiro, limitando seu sono e atividades para ficar lendo diversos documentos dia e noite. Brianna enfrenta também o conflito de ser egoísta impedindo sua mãe de ir embora ou deixa-la ir atrás de seu pai; porém ajuda também no possível em estudar tudo sobre Jaime, por mais que sofresse em pensar sobre ficar longe de Claire. Brianna ainda é um personagem a qual ainda não tenho uma opinião formada. Eu entendo os motivos dela por sentir como se sente e não conheço o suficiente sobre ela para ter algum sentimento decisivo.

Ler as partes do Jaime doí o coração, depois da batalha de Culloden ele vai se tornando um outro homem, perde sua inocência e fazendo algumas ações até mesmo, na minha opinião, cruéis. Ele passa por muitos problemas na Escócia e, além disso, sente uma saudade avassaladora de Claire, sem saber se ela e seu bebê sobreviveram e não tendo ninguém para contar a verdade do que realmente aconteceu com sua esposa.Não é fácil ser um escocês o qual contra os ingleses na batalha se Culloden, sobrevivendo muitos momentos por pura sorte ou com ajuda de seus amigos e familiares.

Esse livro é lindo e tive que me segura vários momentos aqui para não contar a vocês nenhum spoiler. Ele me fez rir, chorar e temer por Claire e Jaime em diversos períodos da leitura. Sou apaixonada pela Claire, o modo dela viver e sobreviver aos desafios encontrados ao longo de sua vida; Jaime não fica para trás com sua personalidade. Espero ansiosamente para ler o livro quatro e conhecer mais ainda sobre a vida destes dois.

 

Amor a todos ❤

 

Mago Mestre

wp-1486597481809.jpg

Informações gerais: escrito por Raymond E. Feist, livro dois da Saga Mago, lido pela editora Arqueiro. Ficção – fantasia.

Sinopse (retirada do Skoob): “Passaram-se três anos desde o terrível cerco a Crydee. Os três rapazes que eram os melhores amigos do mundo encontram-se agora a quilômetros de distância. Pug, um escravo dos Tsurani, está prestes a se tornar um dos maiores magos que já existiram. Tomas, um grande guerreiro entre os elfos, arrisca-se a perder sua humanidade para a armadura encantada que veste. Arutha, príncipe de Crydee, luta desesperadamente contra invasores e traidores para salvar seu reino.
Mago Mestre é recheado de aventura, emoção e ameaças tão antigas quanto o próprio tempo. Com o segundo volume de A Saga do Mago, Raymond E. Feist volta a provar que é um dos maiores nomes da literatura fantástica na atualidade.”

Esse é o segundo volume da Saga do Mago, para acessar o primeiro livro é só clicar aqui.

O segundo livro, diferente do que eu imaginava, não começa logo depois da captura do Pug, mas três anos depois. Ele continua sendo escravo no pântano, agora tendo como amigo um trovador chamado Laurrie e escondendo de todos sua profissão em Midkemia. Esse livro me pareceu focar menos no Pug do que o Mago Aprendiz, mudando mais frequentemente de cenário e ponto de vistas de outros personagens, como: Arutha, Martin, Tomas.

Esse livro não possui problemas diferente do primeiro, a leitura para mim começou muito lenta, por mas suave que seja a escrita de Raymond, e demorei a pegar o ritmo do livro. Para mim o autor demora, às vezes, muito tempo para sair de uma situação para outra, deixando períodos de uma leitura repleta de explicações e poucas ações interessantes por parte dos personagens. A mudança de ponto de vistas de personagem talvez melhore a situação, porém isso traz a consequência de o escritor se focar bem menos no Mago, descrevendo mais os mundos envolvidos do que contando histórias do próprio personagem principal.  Outro problema para mim foi uma cena, a qual não posso contar para não dar nenhum spoiler, com explicações muito forçada, tendo, para mim, pouca lógica.

Falando dos problemas encontrados por mim, agora poderei falar do que gostei no livro. A leitura, apesar de ser meio devagar em certos momentos, é divertida, gostosa e leve. Adorei ter visto novamente Arutha e Martin, entender melhor sobre Kelewan e seu moradores, além de ter visto mais sobre as intrigas e conflitos no Reino de Midkemia. Pug continua adorável, com uma grande empatia com aqueles com o qual convive durante o livro, está realmente mais maduro, prestando mais atenção a suas ações. O livro mantém coerente, não tendo nenhuma contradição (pelo menos vista por mim) com o contado no primeiro livro e bem finalizado, mesmo ainda possuindo mais dois livros na Saga do Mago. Mago Mestre também me fez lembrar certos conceitos filosóficos em certas partes, deixando a saga mais interessante. Para mim foi uma leitura prazerosa e muito divertida.

Mesmos com esse pontos negativos contínuo gostando bastante da história, conto esses problemas somente para defender o meu ponto de vista de que não uma das melhores literaturas fantásticas que li, porém uma fantasia interessante e com muitas qualidades. Penso ser um livro o qual vale a pena ser lido e fico curiosa em qual será a história contada no livo três da saga, já que este livro deu uma boa finalizada. Assim que eu ler a continuação prometo colocar aqui a resenha.

 

Amor a todos ❤

 

Mago Aprendiz

wp-1483397224697.jpg

Informações gerais: escrito por Raymond E. Feist, livro um da Saga Mago, lido pela edição da Saída de Emergência (atualmente sendo englobada para a editora Arqueiro). Ficção – fantasia.

Sinopse do livro (retirada do skoob): “Na fronteira do Reino das Ilhas existe uma vila tranquila chamada Crydee. É lá que vive Pug, um órfão franzino que sonha ser um guerreiro destemido ao serviço do rei.
Mas a vida dá voltas e Pug acaba se tornando aprendiz do misterioso mago Kulgan.
Nesse dia, o destino de dois mundos altera-se para sempre.
Com sua coragem, Pug conquista um lugar na corte e no coração de uma princesa,
mas subitamente a paz do reino é desfeita por misteriosos inimigos que devastam cidade após cidade. Ele, então, é arrastado para o conflito e, sem saber, inicia uma odisseia pelo desconhecido: terá de dominar os poderes inimagináveis de uma nova e estranha forma de magia ou morrer.
Mago é uma aventura sem igual, uma viagem por reinos distantes e ilhas misteriosas, onde conhecemos culturas exóticas, aprendemos a amar e descobrimos o verdadeiro
valor da amizade. E, no fim, tudo será decidido na derradeira batalha entre as forças da Ordem e do Caos.”

Neste livro conta o início da aventura de Pug para se tornar um mago, mas também conta de forma geral a vida de outros personagens que vivem em Midkemia, como Kulgan, Tomas, a princesa Carline. Este livro parece ser uma grande introdução para os outros livros. Para mim, o livro demora para iniciar a aventura central, provavelmente, para dar tempo do escritor nos inserir neste mundo o qual vive Pug, nos fazer conhecer um pouco da cultura do ducado de Crydee e seus habitantes. Com o decorrer da aventura, Raymond E. Feist vai nos fazendo viajar junto com Pug, fazendo-nos viajar e conhecer mais de Midkemia junto com esse aprendiz de mago.

Considero Pug um personagem muito carismático, penso que passei a gostar dele desde a primeira página, ele possui uma esperança, um heroísmo e leveza contagiante, conquistando praticamente a todos a sua volta. Ele me fez compreender todas as suas ações, suas dificuldades e sonhos. Pode ser um mundo diferente do nosso, mas as emoções encontradas são bastante comum para nós e, acredito, que é assim que o autor nos chama para conhecer sua estória, mesmo demorando para começar a parte mais “animada” do livro. Não pense que o livro é um tédio no seu começo por isso, pois ele sempre tem alguma ação presente nele, mesmo eu não considerando algumas delas como as principais para a estória, e seu início é muito importante para entendermos o resto do livro.

O autor criou um mundo mágico e muito bem construído, tornando para esse ser um livro muito agradável de ler. O Mago Aprendiz tem diversas espécies e muitas culturas diferentes, as quais variam  da espécie e do local onde nos encontramos do  Reino e do mundo de Midkemia. O autor também se preocupou em criar um o passado deste mundo, seus antecedentes, citando acontecimentos e seres muito anteriores ao tempo de Pug, trazendo uma grande coerência para certas descobertas e ações do Reino em si. Ele se esforça para nos fazer compreender o “seu” mundo, para nos integramos a ele e participar da leitura da melhor forma possível, e, para mim, isso funcionou de forma maravilhosa, me tirando do meu cotidiano e me levando a um lugar mágico e original.

A leitura pode ter sido lenta para mim no início, porém sempre foi leve, me levava sempre a entrar em Midkemia e me perder nas aventuras descritas. O autor me trouxe a magia a qual eu esperava, não me decepcionando, porém me deixando sedenta para ler o livro dois dessa saga.

 

Amor a todos ❤

Outlander: A libélula no âmbar

wp-1478642797239.jpgInformações gerais: Escrito por Diana Gabaldon, livro 2 da saga Outlander, lido pela edição da editora Saída de Emergência (atualmente sendo englobada para editora Arqueiro). Literatura fantástica – histórica.

Sinopse  do livro (retirado do Skoob): “Claire Randall guardou um segredo por vinte anos. Ao voltar para as majestosas Terras Altas da Escócia, envoltas em brumas e mistério, está disposta a revelar à sua filha Brianna a surpreendente história do seu nascimento. É chegada a hora de contar a verdade sobre um antigo círculo de pedras, sobre um amor que transcende as fronteiras do tempo… E sobre o guerreiro escocês que a levou da segurança do século XX para os perigos do século XVIII.
O legado de sangue e desejo que envolve Brianna finalmente vem à tona quando Claire relembra a sua jornada em uma corte parisiense cheia de intrigas e conflitos, correndo contra o tempo para evitar o destino trágico da revolta dos escoceses. Com tudo o que conhece sobre o futuro, será que ela conseguirá salvar a vida de James Fraser e da criança que carrega no ventre?”

Eu amo a saga de Outlander e pretendo fazer as resenhas de todos os livros de Outlander lidos por mim, mesmo que eu já tenha lido esse já há algum tempinho, ele deixou muitas emoções e acontecimentos gravados em mim. A qualidade do livro continua a mesma do primeiro: excelente. Quando li este livro, percebi que amava mais ainda a escrita de Diana Galbadon. Não se assuste em nenhum momento com a grossura do livro, pois depois de um tempo a leitura começa a fluir rapidamente.

O livro começa com Claire no “futuro” de 1968 em Inverness, preparada para contar tudo que acontece com ela 20 anos atrás para sua filha Brianna, uma história difícil de acreditar. Ver Claire em 1968 sem Jaime me deu um aperto no coração e, mais ainda, pelo fato de ter já se passado 20 anos, vem também a ansiedade de querer saber o que ocorreu, o por quê ela esta de volta ao seu tempo. Fiquei até com vontade de pular essa parte do livro e ir para parte do falshback e com toda a explicação, porém resisti e alguns minutos depois fiquei grata por não ter pulado. É maravilhoso conhecer a Brianna e Roger, como eles se relacionam com a Claire e como Brianna tem um lado bem parecido com seus pais.

É visível que Claire continua, apesar de toda a tristeza que carrega escondida dentro de si, uma mulher forte e determinada. Ela está disposta, por mais que lhe traga muitas lembranças doloridas e talvez até ser considerada de louca por sua própria filha, a revelar todo o seu segredo. Assim, na parte dois do livro, começa a explicação de por quê e como Claire volta para o seu tempo, a parte que eu mais ansiava para ler e não é nenhum pouco decepcionante, mas que me fez chorar bastante.

Nessa leitura Diana mostra para nós que há amores que podem, sim, ultrapassar até mesmo o tempo, contando a história de um amor maduro, com os personagens tomando decisões muito difíceis, passando por muitos obstáculos e com o amor deles superando tudo isso. A leitura é repleta de detalhes e mesmo assim sendo fluída e leve, entretanto finalizando com um suspense.

Não irei falar mais nada, para não dar nenhum spoiler, mas aconselho que, ao terminar ler este livro, já tenha a mão o livro três da saga de Outlander…

Amor a todos ❤

Outlander: a viajante do tempo

outlander

Este é um dos meus livros favoritos, então, para homenageá-lo, decidi que ele é minha primeira resenha aqui no blog.

Informações gerais: Escrito por Diana Galbadon, livro um da saga Outlander, lido pela edição da Saída de Emergência (atualmente sendo englobada para a editora Arqueiro).

Sinopse do livro (retirado do Skoob): “Em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, a enfermeira Claire Randall volta para os braços do marido, com quem desfruta uma segunda lua de mel em Inverness, nas Ilhas Britânicas. Durante a viagem, ela é atraída para um antigo círculo de pedras, no qual testemunha rituais misteriosos. Dias depois, quando resolve retornar ao local, algo inexplicável acontece: de repente se vê no ano de 1743, numa Escócia violenta e dominada por clãs guerreiros. Tão logo percebe que foi arrastada para o passado por forças que não compreende, Claire precisa enfrentar intrigas e perigos que podem ameaçar a sua vida e partir o seu coração. Ao conhecer Jamie, um jovem guerreiro escocês, sente-se cada vez mais dividida entre a fidelidade ao marido e o desejo. Será ela capaz de resistir a uma paixão arrebatadora e regressar ao presente?”

Eu sinceramente me apaixonei por este livro. Ele se passa em primeira pessoa, no ponto de vista da Claire Randall, que, é deste o início, uma personagem forte, com opiniões e modos a frente de seu tempo, por culpa em parte de sua educação e do tempo que passou sendo enfermeira durante a guerra, mas, acredito também, em parte por culpa de sua própria personalidade. O modo dela agir sempre é com uma certa determinação, buscando o que quer e, ao mesmo tempo, procurando fazer a coisa certa. Frank Randall é o marido dela, um historiador, obcecado no início do livro por pesquisar e conhecer seus antepassados para montar sua árvore genealógica, deste modo, nos ensinando já deste o início um pouco da história da Escócia. O Jaime, encontramos mais a diante do livro, é um homem também com muita determinação e personalidade forte, um escocês jovem, repleto de ideais e princípios muito interessantes (mas não falarei mais dele, para não dar nenhum spoiler).

O livro é espetacular. Todos os personagens que aparecem no livro são complexos e bem construídos. O livro a todo momento entrelaça os dados históricos com fantasia e romance. As relações entre os personagens também são muito bem colocadas, descritas com perfeição, sem ser em nenhum momento bobas ou muito fora da realidade em si. Há personagens que odiamos assim que conhecemos, personagens que amamos deste o início, e outros que, sinceramente, me deixava em dúvida do que eu realmente achava deles, se as intenções deles eram boas ou más, se gostava ou não deles…

A leitura, para mim, no início, não foi rápida, porém prazerosa, fui entrando no livro aos poucos e, quando me vi no meio dele, já estava totalmente envolvida na história e devorando as páginas. O livro é muito bem finalizado, dando um final temporário a história e Diana Galbadon tem um modo de escrever único. Não posso comparar a série de televisão, porque não a assisti ainda, mas ler esse livro já é o suficiente para ser conquistado pelo universo de Outlander e buscar ler todos os livros dessa saga maravilhosa para conhecer melhor os personagens ali apresentados. Tenho um carinho especial com os personagens escoceses e com Claire (a acho simplesmente maravilhosa) e espero que quando leiam também amem eles tanto quanto eu os amo (se é que já não leram e já se apaixonaram).

Peço desculpas por qualquer erro que essa resenha possa ter, mas a escrevi um pouco com pressa, além de fazer um tempo que li este livro, mas eu o amo tanto que realmente quis que ele fosse a primeira resenha aqui do blog.

Amor a todos ❤