Jogador no. 1

20170804_204425

Informações gerais: escrito por Ernest Cline, lançado pela editora Leya. Ficção – cultura pop.

Sinopse (retirada da orelha do livro): “Um mundo em jogo, a busca pelo grande prêmio. Você está preparado, Jogador número 1?
O ano é 2044 e a Terra não é mais a mesma. Fome, guerras e desemprego empurraram a humanidade para um estado de apatia nunca antes visto. Wade Watts é mais um do que escapam da desanimadora realidade passando horas e horas conectado ao OASIS – uma utopia virtual global que permite que os usuários ser o que quiserem; um lugar onde se pode viver e se apaixonar em qualquer um dos mundos inspirados nos filmes, videogames e cultura POP dos anos 1980.
Mas a possibilidade de existir em outra realidade não é o único atrativo do OASIS; o falecido James Halliday, bilionário e criador do jogo, escondeu em algum lugar desse imenso playground uma série de easter-eggs. E premiará com sua enorme fortuna – e poder – aquele que conseguir desvendá-los.
E Wade acabou de encontrar o primeiro deles.”

Este livro foi uma das recomendações as quais encontrei no canal do Youtube da editora Aleph (apesar de ser lançado pela Leya), se não me engano, pois faz muito tempo que assisti, era sobre livros ótimos para começar a entrar no grande universo de leitura da ficção científica. Quando vi o vídeo, eu já estava inserida neste mundo, tanto pela leitura quanto pelo cinema, porém fiquei curiosa com o livro… mesmo assim, não cheguei a comprar para mim, dei para uma amiga de presente e ela me emprestou depois de ler. O livro não nos decepcionou. Como ela me disse, e concordo com ela, não é uma obra de arte da literatura, porém é uma leitura muito gostosa e com uma boa história.

Jogador no. 1 é o livro com mais referências que já li em toda minha vida! O criador do OASIS era fanático pelos anos 80, e por isso o livro fala de, basicamente, todos os jogos famosos presentes nos anos 80, mas não só sobre jogos; sobre cinema, anime, quadrinhos, música, comida… o autor também sai, às vezes, dessas referências dos anos 80 e vai para outras épocas. Moral da história: o livro é com mil referências a cultura pop. Se você não é tão apaixonado por distopias ou por ficção, entretanto, ama a cultura pop ou jogos de videogame, você já irá gostar desse livro. O mesmo posso dizer daqueles os quais não são tão conhecedores da cultura pop, mas adora distopias, thrillers e/ou ficção científica.

O livro tem muita ação além de suas bilhões de referências, devorei ele em 2 dias depois de uma grande ressaca literária e pausa na minhas leituras, com a leitura me fazendo sempre querer saber o que iria acontecer depois. Há tanta ação e referências que isso me fez me perde na leitura e me fazer reler certas partes. Havia mil coisas as quais eu já tinha assistido, jogado, lido ou ouvido, e outras mil as quais nunca ouvir falar; e isso não me atrapalhou em nada minha leitura, porque a história é muito atraente, rápida e divertida. Os personagens são todos muito interessantes,e, para mim, muito reais em seus desafios e conquistas. Achei a história também muito plausível em diversos aspectos, como por exemplo, o próprio futuro apresentado, e suas várias críticas ‘escondidas’.

É um livro muito bom e indicado para mil tipos de leitores ao mesmo tempo. Eu me diverti com as referências, com a história e com os personagem. O autor me fez entrar de cabeça no livro, sentido todas as aventuras e emoções ocorrida com os personagens. Indico esse livro a todos, por toda a alegria a qual a leitura me proporcionou!

 

Amor a todos ❤

 

 

Anúncios