O lado mais sombrio

wp-image-1177779976jpg.jpg

Informações gerais  escrito por A. G. Howard, livro 1 da trilogia Splintered, lançado pela editora Novo Conceito. Fantasia – literatura fantástica.

Sinopse do livro (retirada do Skoob): “Alyssa Gardner tem uma vida conturbada, ela ouve vozes de insetos e flores. A garota mora apenas com o pai pois a mãe foi internada e considerada insana e instável, e alegava ouvir as mesmas vozes que Alyssa sabe que são verdadeiras. Em uma das visitas, ela descobre que cada dia sua mãe pior, e que o pai havia concordado com o médico em aplicar um tratamento de choque, o que não apenas poderia transformar sua mãe em outra pessoa, como também poderia matá-la. Para impedir isso, Alyssa terá que mergulhar no obscuro mundo do País das Maravilhas e consertar os erros que a verdadeira Alice deixou pra trás, dessa forma quebraria a maldição sobre sua família. Mas a verdade é que o País das Maravilhas foi totalmente distorcido por Lewis Carrol, e Alyssa vai descobrir um lado sombrio do conto de fadas.”

O livro tem uma leitura suave, gostosa, com o foco nos famosos clássicos de Lewis Carrol, tendo seus personagens marcantes do País das Maravilhas presentes, porém com algumas características e, às vezes, até mesmo o nome, muito diferentes das  apresentadas nos seus livros originais. O livro também traz muitos personagens novos, como a personagem principal Alyssa, uma jovem perto de sua formatura do colégio, descendente de Alice, que ouve, assim como sua mãe, vozes de insetos e flores,  e usa sua arte para se expressar e aliviar seus medos, angústias e problemas.

O livro me fez pensar deste seu início na loucura em si. O que é normal? O que é loucura? O que é somente diferente? E como lidar e tratar com a diferença? Alyssa é atormentada pelas vozes, usando de vários métodos para disfarçar e ignorá-las, mantendo isso em segredo e com medo de lhe acontecer o mesmo que ocorreu com sua mãe. O País das Maravilhas, neste sentido, é um alívio e conforto para a personagem. Ali ela não precisa se preocupar em esconder suas anormalidades, aquele lugar não segue as mesmas leis e regras de nosso mundo comum, tudo é um caos, tudo é maluco: os seres, a física e a lógica. Por outro lado, ela precisa encarar e lidar tudo que traz em si, principalmente seu lado sombrio,  para conseguir sobreviver por lá. O local faz Alyssa se conhecer melhor.

Encontrei no livro vários modos de como podemos se relacionar com os outros e suas diferenças. Aprendi junto com a personagem como devemos ser cuidadosos em como tratar as pessoas, pois podemos estar impedindo-as de tomar suas próprias decisões e realizar seus desejos, superprotegendo,e colocando a elas somente a nossa vontade. Ao mesmo tempo, isso também depende de nós, não podemos deixar que aqueles que amamos nos faça o mesmo, precisamos nos posicionar, refletir e defender nossos desejos e crenças, mas evitando o máximo ferir os sentimentos e invadir a escolha daqueles próximos a nós. Nisso nada muda do País das Maravilhas para o nosso mundo comum, o amor pode se apresentar de vários modos, porém nos mantendo livres a ser quem somos, sem sufocar nossa essência.

O livro para mim foi envolvente, me fazendo viajar junto com a Alyssa, e me relacionar indiretamente com os personagens. A escritora faz sua homenagem a Lewis Carrol e passa a sua interpretação do País das Maravilhas e da sua loucura. É uma leitura rápida, mas me fazendo pensar em alguns aspectos. Adorarei ver como ela continuará essa história.

Amor a todos ❤

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s